Coleta de amostras de solo

COLETA GEORREFERENCIADA DE AMOSTRAS DE SOLO

Serviço prestado pelo DMLab – para mais informações, clique aqui!

COLETA TRADICIONAL DE AMOSTRAS DE SOLO

TEXTO BASEADO EM INFORMAÇÕES RETIRADAS DE:

RAIJ, B. V.; H. CANTARELLA; J.A. QUAGGIO; A.M.C. FURLANI. Recomendações de adubação e calagem para o estado de São Paulo. 2. ed. Campinas, Instituto Agronômico/Fundação IAC, 1997 (Boletim Técnico, 100).

PORQUE ANALISAR O SOLO

A análise do solo é o meio mais adequado para avaliar a fertilidade de uma área a ser cultivada e, com base nela, determinar as doses de calcário e adubo para obtenção de produtividade e lucratividade de uma lavoura. Dessa forma, a coleta da amostra é de fundamental importância para a adoção de doses corretas de adubo e calcário, pois é essa amostra que irá representar a área a ser cultivada.

COMO COLETAR AMOSTRAS DE SOLO

A propriedade a ser amostrada deverá ser dividida em talhões homogêneos com até 20ha. Consideram-se homogêneas as áreas na mesma posição topográfica (solos de morro, meia encosta, baixada, etc.), mesma cor do solo, textura (solos argilosos, arenosos), cultura ou vegetação anterior, que receberam mesmas adubação e calagem anteriores. 

 Antes de transferir essa amostra para o balde, deve-se raspar terra da lateral do trado e retirar 2 a 3cm de terra da parte superior, o que evita contaminar a terra do subsolo com a terra da superfície. Algumas usinas e plantadores de cana-de-açúcar coletam as sub-amostras entre 0-40cm.

CULTURAS ANUAIS

Para cada talhão homogêneo com até 20ha, recomenda-se a coleta de uma amostra. Esta amostra deve ser composta por 20 sub-amostras, coletadas com enxadão ou trado, em caminhamento em zigue-zague por toda área. Antes de iniciar a coleta do solo em cada ponto, deve-se retirar os detritos e restos de cultura. Somente depois disso, coleta-se a sub-amostra, introduzindo o trado ou o batendo verticalmente o enxadão até a profundidade de 20cm. O solo coletado deve ser colocado em um balde limpo e, após a coleta das 20 sub-amostras, toda a terra coletada deve ser homegeneizada. Em seguida, deve-se retirar cerca de 300g de terra do balde e transferir para saquinho plástico limpo, devidamente identificado. Essa amostra, conhecida como amostra composta, representa a camada de 0-20cm e deve ser enviada para o laboratório. Caso o solo esteja muito úmido por ocasião da coleta, ele pode ser colocado ao ar livre para secar e, posteriormente ser homogeneizado e encaminhado ao laboratório. As amostras não devem ser coletadas próximas a cupins, formigueiros, casas, estradas, currais, estrume de animais, depósitos de adubo, calcário ou manchas de solo.

CULTURAS PERENES

Em culturas perenes, o procedimento para amostragem é o mesmo descrito para culturas anuais, porém, deve-se amostrar somente a faixa a ser adubada (saia da planta), o que reflete melhor os tratamentos aplicados no solo nos anos anteriores.

CANA-DE-AÇÚCAR

Para cana-de-açúcar é muito comum a coleta de dois tipos de amostras: de 0-20cm e de 20-40cm. As amostras de 0-20cm são coletadas como descrito anteriormente. Para coletar amostras entre 20-40cm deve-se utilizar preferencialmente o trado. Primeiro se coleta a amostra de 0-20cm; em seguida, retira-se a terra da superfície que caiu dentro do buraco e, depois, aprofunda-se o trado até 40cm.

 Antes de transferir essa amostra para o balde, deve-se raspar terra da lateral do trado e retirar 2 a 3cm de terra da parte superior, o que evita contaminar a terra do subsolo com a terra da superfície. Algumas usinas e plantadores de cana-de-açúcar coletam as sub-amostras entre 0-40cm.

AMOSTRAS DE SUBSOLO

Para coleta de amostras a profundidades entre 20-40cm, deve-se proceder como descrito anteriormente no item cana-de-açúcar.

ENDEREÇO
Dinardo Miranda Laboratório de Análises Agrícolas
Av. Patriarca, 1840 – 14031-580 Ribeirão Preto, SP
(16) 3919-1018 – dmlab@dmlab.com.br.